top of page
Buscar
  • Foto do escritorVital Psilo

Uma experiência musical com a psilocibina na depressão resistente


O Imperial College London realizou um estudo aberto para investigar as respostas neuronais evocadas pela psilocibina em uma experiência musical. Dezenove pacientes com depressão resistente participaram de sessões psicodélicas em que receberam psilocibina 10 mg e outra dose de 25 mg passados 7 dias.


Os pesquisadores coletaram dados de ressonância magnética funcional (fMRI) dos pacientes 1 semana antes da primeira sessão e 1 dia depois da segunda, sendo que dois escâneres foram realizados em cada coleta: um com escuta musical e outro sem. Após os escaneamentos, os pacientes responderam a Geneva Emotional Music Scale para classificar o prazer gerado pela música. A Snaith–Hamilton Pleasure Scale foi utilizada para registrar os sintomas de anedonia (perda de interesse/satisfação) antes e depois do experimento. Para as análises das neuroimagens, o núcleo accumbens (NAc) foi escolhido como região cerebral de interesse para verificar a conectividade funcional (CF), dado sua importância no mecanismo de recompensa musical.


Após o tratamento com a psilocibina, os resultados revelaram um aumento significativo na emoção evocada pela música e uma correlação com reduções na anedonia. Durante a escuta musical, foi observada uma redução na CF do NAc com as áreas semelhantes à rede de modo padrão (Default Mode Network). Pesquisas anteriores também já mostraram que a música é valiosa para a terapia psicodélica e que estas substâncias podem melhorar agudamente a emoção musical.

Essas descobertas ainda são de difícil interpretação para a neurociência, mas fornecem uma visão nova sobre os mecanismos cerebrais. Portanto, mais estudos são necessários para entender melhor o impacto da psilocibina na recuperação da capacidade de resposta ao prazer, que é codificada no cérebro de pacientes com depressão.

Referência

Shukuroglou M, Roseman L, Wall M, Nutt D, Kaelen M, Carhart-Harris R. Changes in music-evoked emotion and ventral striatal functional connectivity after psilocybin therapy for depression. J Psychopharmacol. 2022 Nov 26:2698811221125354. doi: 10.1177/02698811221125354.

12 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page